quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Pessoas a partir de 70 anos podem sacar cotas do PIS/Pasep a partir de hoje



Agência Brasil                     Foto:Divulgação



Pessoas a partir de 70 anos que tenham contribuído com o Programa de Integração Social (PIS) ou o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) podem sacar as cotas nos fundos a partir de hoje (19). A retirada é válida somente para os trabalhadores que tiveram carteira assinada e contribuíram para algum dos dois fundos até 4 de outubro de 1988.

Em 17 de novembro, começará o saque para aposentados. Em 14 de dezembro, a retirada será liberada para homens a partir de 65 anos e para mulheres a partir de 62 anos. Não há data limite para os saques. Os herdeiros de cotistas falecidos podem sacar o dinheiro a qualquer momento.

Quem contribuiu após 4 de outubro de 1988 não tem direito ao saque. Isso ocorre porque a Constituição de 1988 passou a destinar as contribuições do PIS/Pasep das empresas para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que paga o seguro-desemprego e o abono salarial, e para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Desde a criação do PIS/Pasep, em 1971, o saque total só podia ser feito quando o trabalhador completava 70 anos, se aposentasse ou tivesse doença grave ou invalidez. A medida provisória editada recentemente pelo presidente Michel Temer flexibilizou as restrições para as retiradas. No entanto, o cidadão com idade inferior não tem direito à cota, mesmo que tenha contribuído antes de 1988, quando passou a vigorar a atual Constituição brasileira.

De acordo com o governo, a liberação dos saques das cotas do PIS/Pasep vai injetar R$ 15,9 bilhões na economia e beneficiar 7,8 milhões de pessoas. Desse total, R$ 11,2 bilhões virão dos saques do PIS, vinculado aos trabalhadores da iniciativa privada e administrado pela Caixa Econômica Federal, que beneficiarão 6,4 milhões de cotistas. O restante virá do Pasep, vinculado aos servidores públicos e aos empregados de estatais e sociedades de economia mista e administrado pelo Banco do Brasil.

Retirada do PIS

Na Caixa Econômica, os cotistas do PIS poderão fazer a retirada de três maneiras. Os pagamentos de até R$ 1,5 mil serão feitos nos caixas eletrônicos, digitando a Senha Cidadão, sem a necessidade de cartão bancário. Quem não tiver a senha pode obtê-la no site da Caixa, bastando clicar em “esqueci a senha” e preencher os dados.

Os saques de até R$ 3 mil podem ser feitos nos caixas eletrônicos, mas o cliente precisará usar o Cartão Cidadão e digitar a Senha Cidadão. Nas lotéricas e nos correspondentes bancários, o cotista poderá retirar o dinheiro, levando o Cartão Cidadão, a Senha Cidadão e algum documento oficial de identificação com foto. Acima desse valor, o beneficiário deverá ir a alguma agência da Caixa levando documento oficial com foto.

Clientes da Caixa receberam o depósito automaticamente nas contas correntes na terça-feira (17), dois dias úteis antes do calendário de saques. A Caixa informou que também fará a transferência do dinheiro para clientes de outros bancos, desde que a conta esteja no mesmo nome do beneficiário. A operação não terá custos.

Saques do Pasep

Em relação aos saques do Pasep, o Banco do Brasil também depositou automaticamente, na terça-feira, o dinheiro nas contas dos correntistas da instituição. Os cotistas com saldo de até R$2,5 mil e sem conta no banco poderão pedir transferência para qualquer conta em seu nome em outra instituição financeira na página do banco na internet ou nos terminais de autoatendimento.


Não correntistas com saldo acima desse valor ou herdeiros de cotistas falecidos deverão ir às agências. De 19 a 31 de outubro, 1.334 agências do Banco do Brasil em todo o país abrirão uma hora mais cedo para atendimento exclusivo aos cotistas do Pasep. A lista dos postos de atendimento com horário especial está disponível no site do banco.

Os clientes com dúvidas podem consultar as páginas da Caixa ou do Banco do Brasil. Caso a página da Caixa informe que o número da conta está registrado no Pasep, o trabalhador deverá ir à página do BB. Constantemente, os dois bancos atualizam as bases de dados e transferem a conta do PIS para o Pasep de quem passou a trabalhar no serviço público ou em alguma estatal.

C'est la vie - Emerson, Lake and Palmer - legendas pt - tradução

Crise da JBS trava mercado do boi em Mato Grosso do Sul

                                          Foto:Divulgação



O anúncio da JBS de suspender, por tempo indeterminado, a compra e o abate nas suas sete unidades em Mato Grosso do Sul parou o mercado pecuário no Estado.A reportagem, de Renata Prandini, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

De acordo com o vice-presidente da Associação de Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul), Laucídio Coelho Neto, as incertezas fizeram com que praticamente nenhum novo negócio fosse fechado em todo o Estado um dia depois da notícia da paralisação do grupo.

“Por enquanto, está muita confusão. Não temos uma luz no fim do túnel e ninguém sabe ao certo o que fazer. Os negócios estão praticamente parados em todo o Estado. Temos bois vendidos para esta semana, mas novos negócios já não existiram”, destacou.

Essa paralisação do mercado, explicou Coelho Neto, não se deve só às incertezas do setor, mas também está relacionada à pressão já iniciada para baixar o preço da arroba.

“É a lei da oferta e da procura. Sem a JBS, que tem uma fatia grande de mercado, os outros frigoríficos estão aguardando oportunidades melhores ou já começaram a tentar baixar os preços." O preço médio do boi gordo no Estado era de R$ 133  até ontem.

A reação do mercado já no primeiro dia depois da paralisação da JBS mobilizou o setor produtivo. Nesta quarta-feira, foi oficializado pedido ao governo do Estado para que reeditasse decreto que reduz de 12% para 7% da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para a comercialização do gado em pé para outros estados.

Motociclista executa homem com 30 tiros na fronteira com o Paraguai


Crime pode ter ligação com o tráfico de drogas, já que a vítima era usuária

Por RENAN NUCCI

Motociclista ainda não identificado executou, com aproximadamente 30 tiros, Carlos Eduardo Oliveira Miranda, de 26 anos. O crime aconteceu na noite de ontem, no centro de Paranhos, na região de fronteira com o Paraguai. A vítima estava em uma rede na varanda de casa quando foi surpreendida pelo autor, que se aproximou perguntando endereço. Não é descartada suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas.

Conforme boletim de ocorrência, a primeira equipe a chegar no local foi a Polícia Militar, por volta das 20h30. Os militares faziam rondas pela cidade que estava sem energia e havia risco maior de delitos, quando foram alertados por testemunhas sobre a ocorrência de disparos de arma de fogo na Rua Frutuoso Silveira da Cunha.

Chegando ao endereço informado, os PMs perceberam aglomeração de pessoas e encontraram Carlos Eduardo morto na varanda da casa. O pai relatou que o filho estava deitado na rede, quando um desconhecido chegou de moto, perguntou onde morava um homem identificado apenas como Bruno e, em seguida, começou a atirar. A vítima não teve tempo de se defender e morreu no local.

De acordo com a Polícia Civil, foram apreendidos 16 projéteis calibre nove milímetros da marca Lugger e 14 de calibre 380, usados com frequência por pistoleiros em acerto de contas do crime organizado na fronteira. Segundo familiares, Carlos Eduardo seria usuário de drogas e pode ter sido alvo de acerto de conta do tráfico, embora nunca tenha relatado sofrer ameaças.

CPI admite substituir bloqueio de dinheiro em troca de imóveis


Jornal Correio do Estado      Foto:Divulgação
Além de garantias reais, a comissão exige manutenção de empregos

A CPI da JBS na Assembleia Legislativa, que investiga o não cumprimento de acordos em troca de benefícios fiscais, admite estudar o desbloqueio de R$ 730 milhões para salvar o emprego de 15 mil colaboradores diretos e 60 mil indiretos em Mato Grosso do Sul.

O grupo, dono da Friboi, suspendeu a operação de sete unidades de carne bovina no Estado por falta de liquidez para cumprir com suas obrigações com os pecuaristas e outras despesas.

A JBS está disposta a retomar as atividades em Mato Grosso do Sul em troca de garantias para ressarcimento dos prejuízos ao Fisco Estadual. A empresa propôs, segundo o presidente da CPI, deputado estadual Paulo Corrêa (PR), a substituição do bloqueio de dinheiro por imóveis. “É possível”, comentou Corrêa.

O parlamentar, no entanto, exige que o acordo seja fechado em audiência de conciliação na presença do juiz Alexandre Antunes da Silva, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos.

Corrêa advertiu que não aceitará chantagem da JBS de ameaçar fechar os frigoríficos em Mato Grosso do Sul. E para fechar acordo, ele colocará algumas condicionantes. Uma delas é da empresa retomar as atividades com a garantia de emprego e do abate de 100 mil reses por ano.

Para ele, não adianta a CPI abrir mão do desbloqueio de dinheiro para a empresa operar parcialmente.

Estreia: A Comédia Divina



- Livremente inspirado em um conto de Machado de Assis (“A Igreja do Diabo”), o diretor Toni Venturi – mais conhecido por filmes densos com temática política, como “Cabra cega” –, envereda pelo humor negro em “A Comédia Divina”. Um dos méritos do filme é escancarar de forma ácida o shopping center da fé, escalando o próprio diabo para inaugurar sua congregação religiosa, quando percebe que está perdendo adeptos e, com isso, tendo sua imagem enfraquecida, o que não é nada bom para os negócios em tempos de redes sociais.

Outro mérito é escalar Monica Iozzi para o papel de Raquel, que se deixa seduzir pelo demônio (Murilo Rosa) e acaba, ingenuamente, ajudando-o em sua estratégia de marketing, como repórter de uma emissora de TV. E nesse ponto o filme mostra como o marketing está por trás de tudo, principalmente das causas indefensáveis.

Ao entrevistar o capeta, sem se dar conta Raquel dá início ao plano diabólico para torná-lo uma celebridade e enaltecer a luxúria, a gula, a soberba, a vaidade e os demais pecados capitais. No Paraíso, Deus (Zezé Motta) deixa a história rolar, a espera que os próprios mortais percebam a enrascada em que estão se metendo ao frequentar a nova igreja. Mas um antigo namorado de Raquel, Lucas (Thiago Mendonça), que também trabalha na emissora de TV, pode ter a chave para enfrentar o demônio. No céu, Deus só observa.

(Por Alysson Oliveira e Luiz Vita, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

Estreia:“A GUERRA DOS SEXOS”




Em 1973, o tenista Bobby Riggs (Steve Carell) desafiou publicamente a tenista Billie Jean King (Emma Stone) a uma partida para provar que os homens eram melhores do que as mulheres. Naquele momento, ela era uma das maiores do mundo e ele havia sido um campeão passado, mas agora esquecido.

Dirigido por Valerie Faris e Jonathan Dayton (os mesmos do cult “Pequena Miss Sushine”), mais do que recriar aquela partida icônica, o filme reconstrói um momento da história da luta das mulheres pela igualdade que ecoa até hoje. Se o resultado da partida é mais do que conhecido, o longa investe nos bastidores e na posição de cada um dos esportistas.

Carell encontra um meio-termo entre a caricatura e o grotesco de Bobby, que se auto-intitulava um “porco chauvinista”. Já Emma brilha como a tenista inteligente que luta por melhores condições de trabalho para as mulheres. Dadas as circunstâncias, não é difícil torcer por ela.