segunda-feira, 17 de junho de 2024

MIS promove mostra de Cinema Japonês durante esta semana

 

                                            Filme Canção do Canavial - Divulgação


O Museu da Imagem e do Som (MIS), em parceria com Júlio Bezerra (UFMS) e Celso Higa (IHGMS), celebra o mês da imigração japonesa no Brasil com uma Mostra de Cinema Japonês. O evento ocorrerá de 17 a 19 de junho, oferecendo sessões gratuitas seguidas de debates educacionais.


Desde 2014, o CineMIS promove exibições de filmes acompanhadas de discussões, proporcionando uma rica opção cultural de cinema para a população de Mato Grosso do Sul.


Programação

17 de junho de 2024 (segunda-feira)

19:00h — Canção do Canavial (Satokibi Batake no Uta) – 2003 – 129 min. – Drama – Colorido

Direção: Fukuzawa Katsuo

Sinopse: Hirayama Koichi e sua esposa Michiko fogem de Osaka para Okinawa, onde vivem felizes com seus cinco filhos. Com o início da guerra, seu filho mais velho é convocado para o exército imperial. À medida que os combates se intensificam, a família se refugia longe da cidade, mas seus filhos são sucessivamente convocados para servir. Koichi enfrenta um dilema moral ao receber a ordem de matar um soldado americano ferido.


18 de junho de 2024 (terça-feira)

19:00h — Não Lamento Minha Juventude – 1946 – 110 min. – Drama – Preto e Branco

Direção: Akira Kurosawa

Sinopse: Yukie, uma estudante universitária, vive tranquilamente até que seu pai, um renomado professor, cai em desgraça devido a suas convicções políticas. Seu namorado é preso e executado por espionagem, levando Yukie a se refugiar em um vilarejo com os pais de seu namorado, onde enfrenta novos desafios.



19 de junho de 2024 (quarta-feira)

19:00h — O Professor e a Sua Amada Fórmula (Hakase no aishita sushiki) – 2006 – 117 min. – Drama – Colorido

Direção: Takashi Koizumi

Sinopse: Baseado no best-seller de Yoko Ogawa, o filme narra a história de uma empregada (Eri Fukatsu) contratada por uma herdeira rigorosa (Ruriko Asaoka) para cuidar de seu cunhado (Akira Terao), um ex-professor de matemática que, após um acidente, perde a memória a cada oitenta minutos. A amizade entre eles cresce por meio do amor pela matemática, apesar das constantes dificuldades.

Mercado financeiro espera por manutenção da taxa de juros nesta semana

 

                                            Foto: Agência Brasil


Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) esperam pela manutenção da taxa básica de juros, a Selic, em 10,5% ao ano, nesta semana. O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reúne-se amanhã (18) e quarta-feira (19) para definir os juros básicos da economia. A estimativa está no Boletim Focus desta segunda-feira (17), pesquisa divulgada semanalmente pelo BC com a expectativa para os principais indicadores econômicos.


Em sua última reunião, no início de maio, o Copom reduziu a taxa pela sétima vez consecutiva, para 10,5% ao ano. No entanto, a velocidade do corte diminuiu. De agosto do ano passado até março deste ano, o Copom tinha reduzido os juros básicos em 0,5 ponto percentual a cada reunião. Nesta última vez, a redução foi de 0,25 ponto percentual.


Além disso, os membros do colegiado mostraram preocupação com as expectativas de inflação acima da meta e, “em meio a um cenário macroeconômico mais desafiador do que o previsto anteriormente”, não previram novos cortes na taxa Selic. A extensão e a adequação de ajustes futuros na taxa, segundo a ata da última reunião, “serão ditadas pelo firme compromisso de convergência da inflação à meta”.


De março de 2021 a agosto de 2022, o Copom elevou a Selic por 12 vezes consecutivas, em um ciclo de aperto monetário que começou em meio à alta dos preços de alimentos, de energia e de combustíveis. Por um ano, de agosto de 2022 a agosto de 2023, a taxa foi mantida em 13,75% ao ano, por sete vezes seguidas. Com o controle dos preços, o BC passou a realizar os cortes na Selic.


Para o mercado financeiro, a Selic deve encerrar 2024 em 10,5% ao ano. Para o fim de 2025, a estimativa é de que a taxa básica caia para 9,5% ao ano. Para 2026 e 2027, a previsão é que ela seja reduzida novamente, para 9% ao ano.


Inflação

A Selic é o principal instrumento do BC para alcançar a meta de inflação.


Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Mas, além da Selic, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas. Desse modo, taxas mais altas também podem dificultar a expansão da economia.


Quando o Copom diminui a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação e estimulando a atividade econômica.


Antes do início do ciclo de alta, a Selic tinha sido reduzida para 2% ao ano, no nível mais baixo da série histórica iniciada em 1986. Por causa da contração econômica gerada pela pandemia de covid-19, o Banco Central tinha derrubado a taxa para estimular a produção e o consumo. A taxa ficou no menor patamar da história de agosto de 2020 a março de 2021.


A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – considerado a inflação oficial do país – teve elevação, passando de 3,9% para 3,96% este ano. Para 2025, a projeção da inflação também subiu de 3,78% para 3,8%. Para 2026 e 2027, as previsões são de 3,6% e 3,5% para os dois anos.


A estimativa para 2024 está dentro do intervalo da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. Definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), a meta é 3% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 1,5% e o superior 4,5%. Para 2025 e 2026, as metas de inflação estão fixadas em 3%, com a mesma tolerância.


Em maio, pressionada pelos preços de alimentos e bebidas, a inflação do país foi 0,46%, após ter registrado 0,38% em abril. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, em 12 meses, o IPCA acumula 3,93%.


PIB e câmbio

A projeção das instituições financeiras para o crescimento da economia brasileira neste ano teve variação negativa, de 2,09% para 2,08%.  Para 2025, a expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) - a soma de todos os bens e serviços produzidos no país - é de crescimento de 2%. Para 2026 e 2027, o mercado financeiro estima expansão do PIB também em 2%, para os dois anos.


Superando as projeções, em 2023 a economia brasileira cresceu 2,9%, com um valor total de R$ 10,9 trilhões, de acordo com o IBGE. Em 2022, a taxa de crescimento havia sido 3%.


A previsão de cotação do dólar está em R$ 5,13 para o fim deste ano. No fim de 2025, a previsão é que a moeda americana fique em R$ 5,10.


Agência Brasil

Jornalista morre após acidente na BR-262

 

                                           Euclides Casanova


O jornalista aquidauanense Euclides Fernandes Braga Casanova, de 66 anos, morreu após sofrer um grave acidente de carro nas primeiras horas da manhã desta segunda-feira (17), próximo ao trevo de acesso ao distrito de Palmeiras, em Dois Irmãos do Buriti, na BR-262.


Conforme o site O Pantaneiro, Euclides tava em um Volkswagen Gol seguindo de Aquidauana para Campo Grande, quando colidiu frontalmente contra um Chevrolet Onix, que trafegava no sentido contrário.


O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado. Ao chegar no local, os militares encontraram Euclides fora do veículo, enquanto o motorista do Onix, de 69 anos, estava no banco traseiro do carro, por conta da batida.


Além dos motoristas, uma mulher e uma criança que estavam no carro com Euclides, foram socorridos e levados para o pronto-socorro. Porém, apesar dos esforços médicos, os condutores não resistiram aos ferimentos e faleceram na unidade de saúde.


Carreira – Ainda segundo o site, o profissional atuou no O Pantaneiro e trabalhou na Prefeitura Municipal de Aquidauana. O jornalista era também fundador do Movimento de Associação de Moradores de Aquidauana.


“Euclides Casanova deixa um legado de integridade, paixão pelo jornalismo e dedicação à sua comunidade. Ele deixa filhos e esposa”, finalizou o site.O Pantaneiro

TCE-MS participa da 12ª Feira Socioambiental de Bonito

 



O Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE-MS) marcou presença na 12ª Feira Socioambiental de Bonito, representado pelo engenheiro sanitarista e ambiental Ruhan Charles da Silva Lima. Durante o evento, o servidor ministrou a palestra "Avanços e Desafios da Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de Mato Grosso do Sul" em uma mesa-redonda que debateu os desafios da gestão integrada de resíduos sólidos na capital do ecoturismo.


Além do representante do TCE-MS, a mesa-redonda contou com a participação do secretário municipal de meio ambiente de Bonito, Thyago Sabino; do diretor de engenharia e meio ambiente da Sanesul, Leopoldo Godoy; da presidente do Conselho Municipal de Meio Ambiente, Marla Diniz; da especialista em projetos da Eureciclo, Indara da Silveira; e da consultora da Ciclo Azul, Lívia Cordeiro.


Durante a apresentação, Ruhan Lima apresentou um panorama detalhado da gestão de resíduos sólidos no Estado, destacando os principais indicadores municipais, especialmente aqueles relacionados à destinação final adequada e à existência de coleta seletiva de materiais recicláveis. Ele também compartilhou boas práticas observadas no Estado, particularmente no campo da educação ambiental, que é a principal temática da feira.


Os dados apresentados na palestra estão documentados no livro técnico lançado pelo TCE-MS em março de 2024, fruto de um levantamento realizado in loco nos 79 municípios de Mato Grosso do Sul, proporcionando uma visão detalhada dos progressos e desafios na implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) no Estado.


“As discussões da mesa foram abrangentes, cobrindo desde a situação local em Bonito, a compostagem de resíduos orgânicos gerados na região, até os avanços na logística reversa de embalagens, que têm viabilizado a reciclagem do vidro em Bonito e no estado, anteriormente destinado somente aos aterros sanitários”, comentou Ruhan Lima.


A 12ª Feira Socioambiental de Bonito, um marco anual na agenda ambiental do Estado durante o mês de junho, foi organizada pela Prefeitura Municipal de Bonito e pelo Instituto das Águas da Serra da Bodoquena (IASB). O evento ocorreu entre os dias 10 e 12 de junho, oferecendo visitas, palestras, oficinas e apresentações culturais. A feira atraiu turistas, a comunidade local, e principalmente estudantes de escolas públicas e particulares de Bonito, tanto da área urbana quanto rural, além de visitantes de cidades vizinhas.


Tania Sother

Mercado brasileiro de soja está aquecido

 

                                             Foto: United Soybean Board


As negociações do complexo soja no mercado brasileiro estão em alta, segundo o último boletim informativo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). A combinação de uma demanda doméstica e internacional robusta, aliada à valorização do dólar frente ao real, tem impulsionado os preços no mercado spot nacional, com o óleo de soja se destacando por alcançar, na parcial de junho, a maior média do ano em termos reais.



Pesquisadores do Cepea explicam que esse cenário é resultado de uma competição acirrada entre consumidores das indústrias alimentícias e de biocombustíveis, além de uma maior demanda internacional. Como consequência, os prêmios de exportação de óleo de soja no Brasil retornaram aos níveis observados em junho de 2022.


Do lado da oferta, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) projeta uma produção nacional de soja de 147,35 milhões de toneladas, o que representa uma queda de 4,7% em relação à temporada passada. As exportações também devem diminuir, com estimativas apontando para 92,43 milhões de toneladas, uma redução de 9,3% em comparação ao período anterior.


O aumento das negociações e dos preços reflete a dinâmica atual do mercado de soja no Brasil, onde fatores econômicos globais e locais influenciam diretamente o comportamento dos preços e da oferta. A valorização do dólar, em particular, tem um impacto significativo, tornando o produto brasileiro mais competitivo no mercado internacional, mas também aumentando os custos internos para produtores e consumidores.


A crescente demanda por óleo de soja, especialmente para usos industriais e de biocombustíveis, destaca a versatilidade e a importância desse produto no mercado global. O retorno dos prêmios de exportação aos níveis de 2022 sugere uma recuperação e fortalecimento das posições de mercado do Brasil como um dos principais exportadores de soja e seus derivados.


A previsão de uma safra menor e de exportações reduzidas pela Conab traz uma perspectiva de ajuste no equilíbrio entre oferta e demanda, o que pode continuar a influenciar os preços nos próximos meses. As condições climáticas e as políticas comerciais também serão fatores determinantes para o futuro do mercado de soja no Brasil.


Morre outro PM ferido em operação no Complexo da Maré, no Rio

 

                                             Foto: Fernando Frazão


O sargento do Batalhão de Operações Especiais (Bope), da Polícia Militar do Estado do Rio, Rafael Wolfgramm Dias, morreu nesta segunda-feira (17). Ele estava internado no Hospital Federal de Bonsucesso desde terça-feira (11) quando foi ferido em uma operação policial no Complexo da Maré, na zona oeste da cidade.


Além dele, outro policial morreu em decorrência de confrontos na operação da Maré: o sargento do Bope Jorge Galdino Cruz. Um terceiro policial ficou ferido.


Segundo a PM, os policiais foram atacados por homens armados quando faziam patrulhamento em busca do esconderijo de lideranças do grupo criminoso que mantém o controle armado ilegal de comunidades da Maré.


O sargento Wolfgram tinha 37 anos e estava na Polícia Militar desde 2008. Ele deixou esposa e um filho.


Agência Brasil

Parceria inédita vai destinar adubo orgânico para agricultores familiares, quilombolas e indígenas

 

                                           Fotos: Mairinco de Pauda 


Uma mistura de lodo de tratamento de esgoto e esterco que vira fertilizante orgânico. Pois esse adubo totalmente sustentável vai chegar agora a hortas e lavouras de agricultores familiares, quilombolas e indígenas do Estado. Isso será possível graças a uma parceria inédita entre Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação) e Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) com a Ambiental MS Pantanal, Sanesul e Organics, fabricante de fertilizantes orgânico.


A parceria firmada na sexta-feira (14) prevê a doação de 20% do novo fertilizante, ou cerca de 150 toneladas, já produzido pela Organics, composto por estercos de bovinos e lodos das Estações de Tratamento de Esgoto operados pela MS Pantanal nas cidades do interior do Estado de Mato Grosso do Sul para um programa social do Governo do Estado, coordenado por Semadesc e Agraer. A meta é atender famílias de pequenos produtores rurais, regiões quilombolas e dos povos originários.


O evento contou com a presença do secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento, Jaime Verruck, representando o Governo do Estado, e do secretario-executivo de Agricultura Familiar, Humberto Melo, além de técnicos da Agraer. O secretário frisou a importância dessa alternativa que vai minimizar os impactos ao meio ambiente e beneficiar famílias que sobrevivem da agricultura.


“Esse lodo, até então, era destinado 100% para os aterros sanitários e isso criava duas consequências: a primeira, você reduz o tempo de vida do aterro sanitário e a segunda, gera um custo para levar esse lodo. Através do emparceiramento com a empresa Organics, se identificou uma possibilidade técnica, de a partir do lodo, se criar um fertilizante, totalmente habilitado, credenciado e apto a gente poder destinar isso tanto comercialmente como para os produtores da agricultura familiar”,  salientou.



Segundo Paulo Antunes, diretor-presidente da MS Pantanal, esse percentual poderá representar cerca de 400 toneladas por período de produção, com o avançar da universalização do saneamento no Estado e a própria evolução do processo de produção do fertilizante.


“O projeto visa utilizar 100% do lodo das Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) da MS Pantanal, transformando-o em fertilizante por meio de processos de compostagem com esterco bovino e outras técnicas desenvolvidas pela Organics. Com esta iniciativa, MS se torna o único estado do Brasil a utilizar integralmente o lodo das ETEs de sua concessionária Estadual de água e esgoto de forma totalmente sustentável e circular” destaca Antunes.


Para Osvaldo Miaki, diretor executivo da Organics Biofertilizantes, a união de esforços entre a MS Pantanal & Organics, vai além do fornecimento de um fertilizante de alta qualidade.

“Trata-se de um compromisso com a sustentabilidade e a economia circular, utilizando o lodo das Estações de Tratamento de Esgoto de forma ambientalmente responsável”.

Além do estabelecimento dessa cooperação, o evento pretende apresentar o ORGANICS FERTBIO-MS, nome utilizar para intitular o fertilizante que pretende colocar o Estado na vanguarda das práticas sustentáveis relacionadas ao aproveitamento circular do lodo de esgoto, passo importante para a preservação ambiental e o fortalecimento da agricultura familiar do estado de MS.


Ronárcio Barcelos que é coordenador de projeto da Organics Biofertilizantes, explica que o Organics Fertbio-MS é o resultado de muita pesquisa, desenvolvimento específico de biotecnologias e processamentos, demonstrando que é possível transformar passivos ambientais em ativo ambientalmente sustentável, economicamente rentável e socialmente responsável. “O grupo está orgulhoso de fazer parte deste projeto que coloca o MS na vanguarda das práticas sustentáveis no Brasil. Estamos certos dos frutos desse trabalho conjunto e acreditamos que este é apenas o começo de uma longa jornada de sucesso e sustentabilidade”, finaliza.