domingo, 21 de julho de 2024

Marchand Fauez Ayoub, conhecido no cenário artístico morre aos 58 anos

 

                                             Foto; Redes Socias



marchand Fauez Ayoub faleceu neste domingo (21) aos 58 anos na Santa Casa de Campo Grande. Fauez foi internado pela manhã com fortes dores no peito e encaminhado diretamente para a cardiologia.


Descendente de libaneses, a família Ayoub é reconhecida em Campo Grande por sua tradição no ramo de obras de arte. Fauez é irmão do empresário Omar Ayoub e deixa a esposa Márcia e os filhos Fauez, Camila e Davi, além de quatro netos. A família, ainda não divulgou informações sobre o velório e sepultamento.


Lamentamos profundamente a perda da família e desejamos que Deus conforte o coração dos familiares e amigos

Biden desiste de candidatura à Casa Branca e endossa vice Kamala Harris

 


Com saúde questionada, presidente não resiste a pressão para deixar disputa após gafes; novo candidato democrata tem de ser aprovado na convenção do partido, em agosto

A pouco mais de três meses da eleição, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, 81, anunciou neste domingo (21) que não será mais candidato à reeleição. Ele não resistiu à intensa pressão interna do Partido Democrata pela sua saída, que começou após o desastroso desempenho no debate realizado no fim de junho e não arrefeceu mesmo após várias tentativas do presidente de assegurar apoiadores e eleitores de que tinha condições de derrotar Donald Trump.


O anúncio foi feito por meio de uma carta publicada nas redes sociais do presidente. Biden disse que vai explicar melhor sua decisão em um pronunciamento à nação. O presidente, em seguida, endossou sua vice, Kamala Harris, para ser a candidata democrata na eleição de novembro.


"Acredito que é o melhor para o meu partido e para o meu país que eu desista e me concentre apenas em completar meus deveres como presidente pelo restante do meu mandato", afirmou o democrata.


David Axelrod, estrategista democrata durante o governo Barack Obama, afirmou que "a história vai honrá-lo por suas muitas conquistas como presidente e pela terrivelmente difícil e altruísta decisão tomada hoje". "Ele entende o que Donald Trump não entende", completou, em uma postagem no X.


Foram várias iniciativas nesse sentido nas últimas semanas —Biden deu uma entrevista exclusiva para a ABC News dias depois do debate, participou de uma entrevista coletiva após a cúpula da Otan na qual conversou diretamente com a imprensa por uma hora, e fez uma série de discursos enérgicos em eventos de campanha, insistindo na tese de que era a pessoa melhor posicionada para evitar uma vitória de Trump em novembro.


Mas os esforços foram marcados por problemas que agravaram as preocupações de democratas sobre a idade avançada do presidente. Na entrevista coletiva, confundiu sua vice, Kamala Harris, com seu adversário, Donald Trump; nos discursos de campanha e conversas com a imprensa, cada gafe piorou sua situação com aliados e fortaleceu vozes do partido que pediam sua saída.


A campanha de Trump já reagiu, enviando a apoiadores uma mensagem em que diz que Biden saiu da corrida e o chama de "pior presidente de todos os tempos". A mensagem é acompanha por um link para fazer doações para a campanha republicana.


O anúncio de Biden vem em um momento em que as pesquisas de intenção de voto colocavam o presidente atrás de Trump em estados-chave como Pensilvânia, Wisconsin e Michigan, tornando mais remotas as chances de vitória do democrata.


Também acontece uma semana depois da tentativa de assassinato contra Trump e logo após a convenção do Partido Republicano que oficializou o ex-presidente como candidato, eventos que energizaram a base do adversário, enquanto Biden precisou interromper a campanha para fazer isolamento social em casa em Delaware após receber um diagnóstico de Covid-19.



A decisão histórica de Biden de desistir da candidatura torna imprevisível a disputa pela Casa Branca neste ano. Democratas terão que definir uma nova chapa na convenção do partido, prevista para agosto, em Chicago.


Os principais nomes que vêm sendo cotados para substituir o presidente na chapa democrata, além de Kamala, são os governadores Gavin Newsom (Califórnia), J.B. Pritzker (Illinois), Josh Shapiro (Pensilvânia) e Gretchen Whitmer (Michigan), além do secretário de Transportes, Pete Buttigieg.


A última vez que uma convenção democrata serviu de fato para nomear um candidato, e não apenas oficializar o vencedor das primárias, foi em 1968. O escolhido, Hubert Humphrey, perdeu para o republicano Richard Nixon.


O anúncio antecipa o fim de uma carreira política de mais de 50 anos. Aos 29 anos, Biden foi um dos mais jovens senadores eleitos na história dos EUA e, aos 77, o presidente mais velho a tomar posse.


O democrata assumiu o país após a conturbada presidência de Trump a quem derrotou em uma eleição até hoje questionada, sem provas, pelo adversário. Em meio à crise da Covid, ele priorizou o combate à pandemia e a recuperação dos EUA.


Seu mandato foi marcado por feitos expressivos, como os pacotes bilionários de incentivo à transição energética e de investimentos em infraestrutura. Biden desafiou a previsão predominante entre economistas de que uma recessão era inevitável e alcançou uma das taxas de desemprego mais baixas da história.


Em contrapartida, a inflação disparou durante o seu governo, acumulando alta de quase 20%. A alta do custo de vida foi o início do fim da lua do mel do presidente com o eleitorado.


À alta de preços somou-se o aumento da entrada irregular de imigrantes nos EUA, alcançando níveis recordes. Cenas de caravanas vindas do México reproduzidas na TV reforçaram a imagem de descontrole na fronteira e de fraqueza do presidente.


Biden viu ainda a eclosão de duas guerras durante seu mandato: a invasão da Ucrânia pela Rússia, em 2022, e o conflito entre Israel e Hamas na Faixa de Gaza, iniciado em outubro de 2023. Nos dois casos, sua decisão foi manter-se fiel às alianças americanas com Kiev e Tel Aviv, em contraposição a Moscou e a adversários americanos no Oriente Médio.

Quanto tempo seu pet pode ficar sozinho em casa sem se estressar? Especialistas respondem

 

                                                Foto: Divulgação






Cães e gatos podem se entediar ou sofrer ansiedade quando afastados dos donos

Um dos aspectos mais difíceis na criação de pets é que eles se acostumem a passar tempo sozinhos em casa, pois, nos primeiros dias, podem chorar ou latir por vários minutos ou horas porque sentem falta dos donos, até que um dia se acostumam a essas rotinas.


Devido às diversas atividades e responsabilidades diárias, é muito provável que você passe longas horas fora de casa e seu pet fique sozinho em casa por esse mesmo tempo, o que pode gerar preocupação aos donos, pois cães e gatos precisam de atenção.


É importante que, antes de adotar um pet, você considere o tempo que pode dedicar a ele, pois, se não dispuser de um espaço suficiente para compartilhar com um animal doméstico, o melhor é não adotar um, já que não basta passear com eles por alguns minutos.



O veterinário Michael Thompson explicou em conversa com o jornal El Cronista que, embora os gatos sejam reconhecidos por sua grande independência dos seres humanos, eles também precisam de atenção e cuidados regulares para evitar que se entediem, se sintam sozinhos ou desenvolvam ansiedade.


Os gatos

Desde que você lhes dê comida e água suficientes, deixe a caixa de areia limpa e mantenha brinquedos em casa, os felinos podem ficar sozinhos por um máximo de 24 a 48 horas sem enfrentar problemas graves, isso se já forem adultos.


Quando são gatos recém-adotados, que estão se acostumando a um novo lugar, um espaço destinado a eles, suas necessidades e uma família, é importante vigiá-los pelo maior tempo possível, pois, sendo filhotes, não podem passar muito tempo sozinhos.



Os cachorros

O caso dos caninos é diferente do dos felinos, pois os cães são mais dependentes dos donos, então, se você vai passar muitas horas fora de casa, é importante que eles tenham comida suficiente, água e alguns brinquedos para se distraírem e não ficarem estressados, segundo o site Cuida mi mascota.


Caso seu pet já seja adulto e não tenha problemas de saúde, o tempo máximo que podem passar sozinhos é de oito horas, enquanto os filhotes não podem ficar mais de duas horas sozinhos, pois precisam de muitos cuidados.



Cabe destacar que o tempo que cada cão requer do seu dono pode variar conforme a raça, personalidade, o nível de atividade física que necessita, sua rotina e se têm alguma condição de saúde que lhes impeça de manter sua independência.


Por El Tiempo

Entrevista: senadora Tereza Cristina reconhece esforço do governo, mas diz que bancada agro tem 'viés de oposição'

 

                                           Tereza Cristina, senadora pelo PP — Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo.


Uma das principais lideranças do setor no Congresso, ex-ministra de Bolsonaro diz que proximidade com MST e postura hostil no debate ambiental ainda são obstáculos para aproximação com o setor

Uma das principais lideranças do agronegócio no Congresso, a senadora Tereza Cristina reconhece que o governo Lula mudou o tom com o setor. Em entrevista ao GLOBO, a ex-ministra de Jair Bolsonaro pondera, contudo, que a proximidade do PT com o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e a postura hostil no debate ambiental ainda são obstáculos para um maior aproximação com o setor.


Veja a seguir os principais trechos da entrevista.


A relação do governo Lula com o agronegócio segue difícil. Por quê?


A postura inicial do governo foi ruim. Houve falas hostis. Lula ter colocado o MST na pauta prioritária dele, voltando com negócio de invasão, dando uma conotação de que o MST era um movimento legal. Os produtores rurais não aceitam a insegurança que a invasão em terra produtiva traz. Mas tenho de reconhecer que eles (o governo) têm feito um esforço.



Foram dois Plano Safra com valores recordes. Isso ajudou?


É um esforço que a bancada reconhece. Agora, é um setor que vem puxando a economia. O agro tomou uma dimensão que não tinha nos governos anteriores do presidente Lula. O governo se esforçou para colocar mais recursos.


O governo vê a bancada ruralista com predisposição para criticá-lo.


A bancada realmente tem viés de oposição maior. Eu tenho esse perfil do equilíbrio, do diálogo. Quando vou no ministro Fávaro (Agricultura) ou no ministro Haddad (Fazenda), sou muito bem recebida. Agora, algumas pautas precisamos alinhar. Temos um problema sério de invasões. Não é culpa do governo, mas ele também não se mexeu. O produtor do Brasil é o único que tem reserva legal privada compulsória, uma obrigação do Código Florestal. Ainda assim, vemos parte do governo atacando os produtores. Só 2% cometem crimes ambientais e colocam todos na mesma cesta. Os produtores se sentem mal com isso. Não vemos defesa lá fora do produtor rural.


Falta defesa do próprio presidente Lula?


Não sei dizer. Ele tem se esforçado ultimamente, ele mudou um pouco o tom dele.


Por que a senhora acredita que isso ocorreu?


Ele vê que para aprovar qualquer projeto na Câmara hoje é preciso a FPA. São mais de 300 deputados e eles têm votado de forma muito coesa. O senador é mais individualista que o deputado, mas (a frente) vem crescendo no Senado também. É uma questão de sobrevivência, o governo precisa estar mais junto.


As novas revelações da PF no caso das joias e da ‘Abin Paralela’ mudaram a imagem que a senhora tem de Bolsonaro?


Esse processo ainda está sendo analisado. Prefiro aguardar o encaminhamento da defesa do presidente. O presidente é um homem probo. Fui ministra dele. Ele nunca me pediu para nomear uma pessoa que não fosse boa. Então, não posso fazer ilações. Lula há algum tempo estava na cadeia. Não foi inocentado, mas os processos caíram e ele é hoje o presidente.



As revelações colocam em xeque a posição de Bolsonaro como principal líder da direita?


Para o eleitor bolsonarista, não. Eles confiam nele e acham que ele está sendo perseguido.


A senhora apoia o projeto de anistia para quem participou do 8 de Janeiro?


Tem muita gente que não ia fazer golpe nenhum. Claro que os que praticaram a quebradeira precisam ser punidos. Prenderam um monte de gente sem saber. Há injustiças e vamos ter de corrigir isso.


Essa PEC pode abrir espaço para blindar Bolsonaro de persecuções penais.


No 8 de Janeiro. Não estou falando de inelegibilidade.


Se Bolsonaro seguir inelegível, quem deve ocupar esse espaço?


Hoje, o nome mais falado é do governador Tarcísio de Freitas. Mas aparecem outros: Ratinho Júnior, Romeu Zema, Ronaldo Caiado. Lá na frente, precisaremos ter a maturidade para ver o melhor nome.


A senhora era opção de vice para Bolsonaro em 2022, mas Braga Netto foi escolhido. Em 2026, se for chamada, participará da chapa presidencial?


Está muito cedo, tudo isso ainda são conjecturas, mas se eu puder contribuir... Seja como candidata ou no processo, quero contribuir com o país. O nome mais consolidado (como candidato a presidente) é do Tarcísio de Freitas.


Michelle Bolsonaro está dentre as possibilidades?


Ela é super bem avaliada, carismática, tem apelo muito grande na direita. Está no páreo, sim.


O nome da direita em 2026 terá de passar pela bênção de Bolsonaro?


Sim, ninguém escapa disso. O apoio dele é fundamental para o nome se eleger.


Muitos falam que a corrida pela sucessão de Rodrigo Pacheco (PSD-MG) no Senado já está definida a favor de Davi Alcolumbre (União-AP). Qual a sua avaliação?


Até agora não surgiu outro candidato.


A oposição vai apoiá-lo?


Tem a possibilidade.


A senhora é relatora da PEC que propõe mandatos para ministros do STF. Vai avançar?



Meu grupo técnico já fez um apanhado, olhamos vários países, as mais diferentes configurações. Já fiz um plano de trabalho. A ideia é votar antes do final do ano.


Pacheco se comprometeu a votar nesse prazo?


Sim, se comprometeu. Não tem afronta (ao STF). É uma modernização. Precisamos ter voto, meu relatório tem que ser bom, mas isso vai caminhar. Se vai parar na Câmara, eu não sei.





Por 

 e 

 — Brasília    O Globo

John enaltece a vitória do Botafogo sobre o Internacional

 

                                           Foto: Reprodução



O Botafogo deu nova prova de força no Campeonato Brasileiro. O Fogão venceu o Internacional por 1 a 0, neste sábado, no Estádio Nilton Santos, pela 18ª rodada. O goleiro John destacou a importância do triunfo.


"Fico muito feliz. Agradeço a Deus. Mais três pontos. A gente sabia da dificuldade do jogo. Foi um jogo muito difícil. A gente soube suportar muito bem e saímos com o resultado positivo", declarou John.


Nos acréscimos do segundo tempo, John foi decisivo para o Botafogo. Ele defendeu finalização de Gustavo Prado. A bola desviou no caminho, mas o goleiro mostrou reflexo para salvar o time.


"Acabou desviando. Fui feliz. Pude fazer mais uma grande defesa. Agradeço a Deus. É isso. Pude ajudar e saímos com os três pontos", afirmou.


O Botafogo agora ostenta uma série de quatro jogos sem sofrer gol. O sistema defensivo tem sido um trunfo do líder do Campeonato Brasileiro. "Seguimos trabalhando. Tem muita coisa pela frente".


Líder do Campeonato Brasileiro, com 39 pontos, o Botafogo engatou a quinta vitória seguida pelo torneio. Na próxima rodada, o Fogão visita o São Paulo, nesta quarta-feira, às 19h30 (horário de Brasília), no Morumbis


Gazeta press

Apagão cibernético afetou 8,5 milhões de computadores da Microsoft

 

                                           Marcelo Casal Jr


A gigante da tecnologia Microsoft informou neste sábado (20) que o apagão tecnológico que afetou diversos setores ao redor do mundo prejudicou 8,5 milhões de máquinas com o Windows, software fabricado pela Microsoft. Montante representa menos de 1% do total dos processadores da empresa, segundo informou a companhia.  



“Embora a porcentagem tenha sido pequena, os amplos impactos econômicos e sociais refletem o uso do CrowdStrike por empresas que executam muitos serviços críticos”, afirmou a companhia em blog.


A Microsoft explicou que o apagão ocorreu porque a CrowdStrike - empresa independente de segurança cibernética - fez uma atualização do sistema, o que levou ao apagão de softwares de Tecnologia de Informação (TI) em todo o mundo.



“Desde que este evento começou, mantivemos comunicação contínua com nossos clientes, CrowdStrike e desenvolvedores externos para coletar informações e agilizar soluções. Reconhecemos a interrupção que este problema causou para as empresas e nas rotinas diárias de muitas pessoas”, acrescentou, em nota, a empresa.


A Microsoft disse ainda que trabalha junto à CrowndStrike para desenvolver uma solução, mobilizando “centenas de engenheiros e especialistas” para atuar diretamente com os clientes e restaurar os serviços. Colaboraram também outros provedores de nuvem - serviços de armazenamento on-line de dados - como a Google Gloud Platform e a Amazon Web Services (AWS).


Ao finalizar o informe, a gigante da tecnologia disse que o apagão demonstra a natureza interconectada de todos os sistemas que cercam o ambiente cibernético. “Também é um lembrete de quão importante é para todos nós no ecossistema de tecnologia priorizar a operação com implantação segura e recuperação de desastres usando os mecanismos que existem”, concluiu.



Apagão global


Na madrugada desta sexta-feira (19), uma falha na atualização de conteúdo relacionada ao sensor de segurança CrowdStrike Falcon, que serve para detectar possíveis invasões de hackers, foi a causa do apagão cibernético que deixou milhares de empresas e pessoas em todo o mundo sem acesso a sistemas operacionais, especialmente o Windows, da Microsoft.


O evento afetou indústrias e serviços de diversos tipos, desde bancários, de transporte, de saúde até meios de comunicações de todo o mundo.

Ator da novela Pantanal morre aos 39 anos

 

                                           Foto Reprodução


O ator Thommy Schiavo morreu aos 39 anos na manhã deste sábado (20), em Cuiabá (MT).



Segundo informações de familiares, o ator caiu de uma sacada e não resistiu aos ferimentos.


O corpo será levado de Cuiabá para Presidente Prudente (SP), onde será velado na Casa de Velório Athia, localizada na Rua Emílio Trevisan, nº 1011, no Jardim Bela Daria.



Ator de Pantanal


Thommy Schiavo fez parte do elenco da segunda fase da novela Pantanal, da TV Globo. Thommy interpretou o peão João Zoinho que trabalhava na fazenda de José Leôncio.


Natural de Presidente Prudente, Thommy se formou em teatro em 2006 no Rio de Janeiro e também interpretou o cantor Leandro, da dupla Leandro e Leonardo, no especial “Por Toda Minha Vida”, em 2007.


Além disso, atuou nas novelas Paraíso, Beleza Pura, Além do Tempo e Cordel Encantado.